Dois em um

13/06/2010

Por Ana Elisa Arnold:

Sônia Mota estreia os espetáculos do projeto Vagar e Navegar em São Paulo

Vi-vidas. Foto: Wolfgang Weimer

O projeto Vagar e Navegar, de Sônia Mota, estreia em São Paulo, com as apresentação de dois espetáculos: DIVAGAR, criação conjunta de Sônia com Célia Gouvêa, Mara Borba e Luciana Porta; e In The Land of p…, da bailarina e coreógrafa italiana Teresa Ranieri.

Sônia Mota, que desde março é diretora artística da Cia de Dança do Palácio das Artes, em Belo Horizonte, pretende criar no espectador a reflexão sobre a essência do tempo e todos os elementos que o envolvem: passagem, ritmo, movimento… Com uma linguagem poética e expressiva, DIVAGAR torna o tema mais vivo com a interpretação de quatro bailarinas maduras. Já na apresentação de In The Land of p…, o objetivo é fazer uma reprodução do sofrimento físico, mental e emocional. Trata-se, por fim, de duas obras com temas extremamente atuais e complementares. Em 2009, o projeto foi contemplado com o Prêmio Klauss Vianna, da Funarte.

Vencedora do Prêmio Bravo! Prime Cultura 2008, pelo espetáculo Vi-Vidas, Sônia Mota teve um importante papel na dança contemporânea brasileira nas décadas de 70 e 80. Professora e coreógrafa, bailarina aplica desde 1989 seu método de ensino – Arte da Presença – em companhias de dança da Alemanha.

Os espetáculos do projeto têm temporadas em maio e junho: de terça à sexta, 25 a 28 de maio e 1 a 4 de junho, às 21h; e 30 de maio e 6 de junho às 17h, fica em cartaz DIVAGAR. Logo a seguir, é a vez de In The Land of p…, com apresentações nos dias 9, 10 e 11 de junho, às 21h. Todos no Teatro Mars.

Mais informações: (11) 3105-7221

Por Ana Elisa Arnold:


Depois de Brasília, Goiâna, Vitória e São Paulo, o espetáculo passa por mais 13 cidades brasileiras

O aclamado Balé Imperial da Rússia está de volta ao Brasil e promete ficar por bastante tempo. O grupo retorna ao país para interpretar dois grandes clássicos: Romeu e Julieta, famosa obra de William Shakespeare, e Don Quixote, baseado no livro de Miguel de Cervantes, com adaptação e direção de Gediminas Taranda. Depois de sua passagem por Brasília, Goiânia, Vitória e São Paulo no início de maio, o espetáculo acontece em mais 13 cidades brasileiras até o fim de junho.

Nesta terça e quarta, 18 e 19 de maio, o balé se apresentou pela primeira vez em São Paulo, depois de três anos de sua última turnê brasileira. As próximas paradas desse mês serão em Campo Grande, no dia 23, Aracajú, 27, Maceió, 28 e Recife, 29 e 30, cidade onde a companhia teve sua maior platéia em 2007. Em junho, o balé começa por Salvador, dia 1°, seguindo para Florianópolis, 3, Blumenal, 6, Pelotas, 8, Caxias, 9, Porto Alegre, 10, Curitiba, 12 e 13, Rio de Janeiro, 15 e 16 e Ribeirão Preto, 25 e 26.

Em sua turnê pela América do Sul, o grupo tem também apresentações no Chile e Argentina, nas cidades de Santiago, nos dias 18 e 19, Rosário, 20, e Santiago, 22 e 23.

A segunda passagem da companhia pelo Brasil é uma realização da Art Rec Produções (Pernambuco), Branco Produções (Porto Alegre) e Delphos Produções (Rio de Janeiro). O Balé Imperial da Rússia, que conta com mais de 40 bailarinos, não possui prestígio à toa. Há mais de dez anos se apresentando pelo mundo, o grupo já teve a honra de se apresentar em diversos festivais, como o Festival Valtslay Nizhinsky, em Portugal, e 16° Festival Internacional de Balé Clássico, em Kasan.

Veja trechos das peças:

DON QUIXOTE

ROMEU E JULIETA

Por Ana Elisa Arnold:


Projeto reúne três dias de espetáculos, oficinas e mostra de grupos de dança

Entre os dias 21 e 23 de maio, é a vez de Francisco Beltrão receber a Mostra Paranaense 2010. Promovido pelo departamento de cultura da cidade e pela Associação de Bailarinos e Apoiadores do Balé Teatro Guaíra (ABABTG), o projeto reunirá durante os três dias espetáculos do Balé Teatro Guaíra, oficinas de dança para comunidades e mostra seletiva de grupos da região. O objetivo, segundo a diretora da ABABTG, Simone Bönisch, é aproximar os bailarinos locais dos do Balé Teatro Guaíra.

Assista a um dos trabalhos do balé Teatro Guaíra.


A mostra, que começou no início de maio nas cidades de União Vitória, parte, depois de Francisco Beltrão, para Jacarezinho, Campo Mourão, Apucarema e Ponta Grossa em junho, e para Curitiba em julho. Em setembro, acontece a mostra final, com a apresentação dos grupos selecionados em cada cidade.

Nesta sexta, 21, os primeiros espetáculos da companhia de dança paranaense na cidade Francisco Beltrão serão voltadas apenas para o público carente, com as apresentações de cinco corografias: Bonecos do Prólogo de O Quebra nozes, de Carla Reinecke; Solo de Paquita; Trio de O Segundo Sopro, de Roseli Rodrigues; Contraponto, de Eunice Oliveira; e Trânsito, de Ana Vitória. Os próximos espetáculos, já abertos para o público em geral, serão o Balé de Sharbat, de Airton Rodrigues; Vulto, de Rodrigo Mello; Orikis, de Ana vitória; e também as reapresentações de Contraponto e Trânsito.

As oficinas seguem nos dias 22 e 23 de maio e serão ministradas pelos próprios bailarinos do Balé Teatro Gaíra no Ballet Mirna Pecoits, no Centro de Artes Performance e no Stúdio Bio Dança. As aulas envolvem balé clássico básico e intermediário, afro jazz e pilates. Os interessados devem se inscrever pelo site www.ababtg.org.br até o dia 18 de maio, ou no próprio local. A participação nas oficinas também está vinculada à doação de uma lata ou pacote de leite em pó, sendo revertida para a comunidade carente do município pela prefeitura.

Por Ana Elisa Arnold:


O grupo apresenta o show Aquarelas para o evento A Lapa sobe a Serra

A Cia. de Dança Carlinhos de Jesus levará a boemia carioca da Lapa para Teresópolis no próximo final de semana. O grupo apresenta no dia 21 o show Aquarelas. O espetáculo faz parte do festival “A Lapa Sobe a Serra”, evento promovido pelo Ministério do Turismo, TurisRio, RioTur e Teresópolis Convention & Visitors Bureau, criado com objetivo de consolidar a cidade.

A escolha de Carlinhos de Jesus para representar o evento não poderia ter sido mais apropriada. Expoente da dança de salão no Brasil, o coreógrafo tornou-se símbolo popular da figura do malandro da boêmia Lapa carioca. Criado em homenagem à cultura brasileira, o show “Aquarelas” é uma mistura de variados ritmos brasileiros, como samba, lambada, forró e gafieira, com direito a chorinho e uma dança com o Hino Nacional. O espetáculo conta com a participação de 12 bailarinos mais o Carlinhos de Jesus e terá dose dupla. O grupo fará reapresentação do show no dia 22, ao lado do cantor João Sabiá.

Além da presença ilustre do sambista, o festival conta com shows das bandas Os Alquimistas e Fátima Gaspar, Grupo Gatos da Noite, Sygnus, Gib Samba Trio e Empolgas 9.

Por Elisa Arnold:


Grupo Corpo faz temporada no continente durante todo o mês de maio

Não é só em terras brasileiras que o aplaudido Grupo Corpo vem encantando. Depois da breve temporada no Canadá, a melhor companhia de dança do país parte para a Europa, carregando consigo toda a criatividade e estilo marcante do coreógrafo Rodrigo Pederneiras. A companhia mineira está desde o início de maio na Espanha, com a apresentação de três sucessos do grupo: “Bach” (1996), “Parabelo” (1997) e “Breu” (2007).

Depois de apresentar Bach e Parabelo no Teatro Municipal de Valencia, na Espanha, o Corpo fez uma breve passagem pela França, com Parabelo e Breu, no dia 12, em Gari Du Midime, Biarritz, para depois retornar às terras espanholas apenas com Bach e Parabelo. O grupo apresenta os dois balés no Teatro Victoria Eugenia, em San Sebastian, nos dias 15 e 16; no Teatro Jovellanos, em Gijós, no dia 20; no Palacio de Festivales de Cantabria, em Santander, no dia 22; e no Auditorium de Palma de Mallorca, em Palma de Maiorca, no dia 27. Maratona total!


Irresistível e inesperado

Libertando-se mais uma vez das formas, “Bach” é a vigésima sexta coreografia do grupo e a primeira produção do mesmo na qualidade de companhia residente da Maison de La Danse, de Lyon. A apresentação, como o próprio nome apresenta, gira em torno da obra do maior compositor de todos os tempos. De forma surpreendente, Pederneiras conquista o público com sua criação livre e movimentos únicos de suas coreografias, moldados, desta vez, para a música na legendária usina de sons montada em Salvador pelo suíço Walter Smetak, cérebro e medula óssea do Uakti.

Fotos: José Luiz Pederneiras/ divulgação

Continue lendo »

Por Ana Elisa Arnold:

A discussão da natureza humana é o tema do novo espetáculo da companhia Corpos Nômades

Dia 12 de maio a companhia de dança Corpos Nômades vai apresentar a estreia de “Espectros de Shakespeare – Do Outro Lado do Vento”, baseada em obras famosas do dramaturgo inglês. A primeira apresentação da peça acontece no Sesc Consolação, em São Paulo, e fica em cartaz até o dia 25 desse mês.

Com o objetivo de discutir a natureza humana, o coreógrafo e bailarino João Andreazzi representa nos palcos personagens das tragédias “Macbeth”, “Otelo”, “Rei Lear” e “Hamlet”. Com criação totalmente livre, o sofrimento e o conflito humanos são representados por meio de improvisações e contatos entre os bailarinos.

Foto: Murilo de Paula/divulgação

Ficha Técnica
Direção e Coreodramaturgrafia: João Andreazzi
Elenco: Alexandre Manchini Jr., Bruna Dias, Fabíola Camargo, Isabella Franceschi, João Andreazzi, Ricardo Silva e Tais Magnani
Textos: William Shakespeare
Assessoria Poética Dramatúrgica: Claudio Willer
Trilha Sonora: Vanderlei Lucentini
Assessoria Musical: Ettore Veríssimo
Desenho de Luz: Alexandre Manchini Jr
Cenário, Figurino e Vídeo-Arte: Cia. Corpos Nômades
Designer Gráfico: Rafael Benthien

Serviço:

Espectros de Shakespeare
12 a 20/05 – Quartas e Quintas às 21:00
R$ 10
Teatro Anchieta/Sesc Consolação
R. Doutor Vila Nova, 245 – Consolação – Centro. Telefone:(11) 3234-3000.
* Classificação: 14 anos
* As informações acima estão sujeitas a alterações sem aviso prévio.

Por Ana Elisa Arnold:


O trio D-Efeitos reúne grupos alternativos em mostra musical

Nos dias 12 e 13 de maio o Teatro Brigadeiro, em São Paulo, recebe D-Efeitos, grupo de dança eletrônica vencedor da última edição do programa “Qual é o seu Talento?”, do SBT. O trio promove a mostra D-Efeitos e Convidados, onde apresentam novas coreografias ao lado de seus convidados especiais: WaziMu!, Cia. Khal e Frank Ejara, um dos pioneiros da dança urbana brasileira e criador da companhia Discípulos do Ritmo. O espetáculo promete agitar o público com diversos efeitos musicais de danças urbanas, como waving, robotting, animation e warping.

Clique aqui e assista a um dos trabalhos do grupo D-Efeitos.

Inspirado no gênero musical glitch hop, música eletrônica caracterizada pela presença de “defeitos” de programação no ritmo, André Bidu, André Dedo e Renan Livi, seguem firme na carreira de dança depois de levarem o prêmio da SBT. Depois de D-Efeitos e Convidados, os amigos se preparam para novas apresentações em Belo Horizonte, no dia 28 de maio, e em Curitiba, no dia 3 de junho, ambos com o espetáculo “Passo de Arte”.

Para saber mais sobre o grupo, acesse ao site http://www.d-efeitos.com/.

Serviço:

São Paulo / SP – 12 e 13 de Maio
Evento: Mostra D-Efeitos e Convidados
Coreografia: Primeiro Ato
Convidados: Grupo Kahal, WaziMu! e Frank Ejara – Discípulos do Ritmo
Horário: A partir das 20:00
Preço: R$ 25,00
Endereço: Avenida Brigadeiro Luís Antônio, 884 – Bela Vista, São Paulo
Mapa: http://bit.ly/90LH0W

Belo Horizonte / MG – 03 de Junho
Evento: Passo de Arte
Coreografia: Primeiro Ato
Horário: A partir das 19:00
Preço: R$ 24,00 inteira / R$ 12,00 meia
Endereço: Centro de Cultura Nansen Araújo – Rua Padre Marinho, 60 – Santa Efigênia – Belo Horizonte
Mapa: http://bit.ly/bja1r9

Retorno clássico

13/06/2010

Por Ana Elisa Arnold:


Balé Carmen é uma das atrações do programa de reabertura do Teatro Municipal do Rio de Janeiro

Embora a data oficial de sua reinauguração esteja marcada para o dia 27 de maio, o Teatro Municipal do Rio de Janeiro inicia esse mês com intensa programação. Depois de um ano e sete meses fechado para reformas internas, o teatro reabriu suas portas no último domingo, 2, em grande estilo, com a aclamada montagem do balé Carmen, de Bizet, pelo coreógrafo francês Roland Petit.

Com direção de Hélio Bejani e arranjo de David Garforth, o balé teve a apresentação do corpo de baile do Teatro e a participação de convidados internacionais da equipe de Petit. À frente da companhia do francês, estão os italianos Sabrina Brazzo e Andrea Volpintesta, o inglês Robert Tewsley e a brasileira Claudia Mota, que se revezam no papel de Carmen e Jose. Os bailarinos foram acompanhados pela Orquestra Sinfônica do Teatro Municipal, sob a regência do maestro Silvio Viegas.

Apresentada pela primeira vez em palcos brasileiros, Carmen é um dos trabalhos mais representativos de Roland Petit e já foi representado por grandes bailarinos de todo o mundo, como Mikhail Baryshnikov, Margot Fonteyn, Natalia Makarova e Zizi Jeanmarie.

Assista a um trecho do balé Carmen.

O Teatro fará reapresentação da peça nos dias 4, 5, 6, 7 e 8, às 20h, e no dia 09 de maio, às 16h.

Confira toda programação de maio do Teatro Municipal.

Por Ana Elisa Arnold:

A bailarina flamenca comemora 12 anos de sua companhia de dança

Dia 10 de maio, o público que for acompanhar a programação do Teatro Municipal do Rio de Janeiro, viverá um momento único de puro “êxtase flamenco”. O espaço recebe a bailarina espanhola Eva Yerbabuena, que retorna ao Brasil para comemorar a trajetória de 12 anos de sua companhia de dança.

Reconhecida internacionalmente como a mais importante bailarina flamenca dos últimos tempos, Eva tem seu trabalho admirado por artistas de renome, como Pina Bausch e Carolyn Carlson, tendo angariado importantes prêmios no cenário da música, tanto na qualidade de bailarina, quanto de coreógrafa. Desde a fundação de sua companhia, em 1998, a dançarina tem conseguido levar o grupo a se apresentar nos principais palcos da Espanha e do mundo.

Veja o vídeo com uma das criações de Eva Yerbabuena.

O espetáculo, que teve sua estreia em Belo Horizonte, dia 4 de maio, é uma apresentação em série das coreografias mais famosas de Eva, desde da criação da companhia. Ao todo são sete coreografias: “Barro”, “La Viña y Santiago”, “Quiero y No Quiero”, “Luisito Franco”, “Lluvia de Sal”, “A Galera” e “Llanto”.

Nos palcos brasileiros, Eva estará tradicionalmente acompanhada por uma banda. Os componentes do grupo de dança serão embalados ao som de Enrique Soto, Pepe de Pura e Jeromo Segura, no vocal; Paco Jarana e Manuel de la Luz nas guitarras; Raul Dominguez na percussão; e Ignacio Vidaechea no saxofone e flauta.

Depois de sua estreia na capital mineira, o espetáculo passou por São Paulo, dia 5, e Brasília, dia 6. Depois do Rio, seguirá ainda para Porto Alegre, em 13 de maio, data que finaliza a turnê “Pásion Flamenca – 12 anos de Eva Yerbabuena”.

Foto: Divulgação

Serviço:

Pásion Flamenca – 12 anos de Eva Yerbabuena
Duração: 75 minutos

Classificação Etária: livre

* Para mais informações em http://www.dellarte.com.br/

Por Ana Elisa Arnold:

Os duplos

Maio será mês de estreias para o Teatro Sergio Cardoso, em São Paulo. O espaço vai receber de 7 a 16 a primeira temporada da São Paulo Cia de Dança. O grupo apresenta “Os Duplos”, de Maurício de Oliveira, e a remontagem de um clássico de balé, Theme and Variarions, de George Balanchine. Ambas as peças foram motivo de orgulho para a companhia, que as apresentou no Festival de Curitiba, em março.

Sucesso de público, as apresentações atendem tanto aos aficionados por ballet clássico, quanto para aqueles que admiram o contemporâneo.

Em “Os Duplos”, com o objetivo de trazer o foco para a imagem do bailarino em si, que se multiplica ao longo da cena, o coreógrafo cria e recria movimentos entre os oito intérpretes. Os efeitos são fortemente marcados por elementos visuais, como a iluminação, o figurino atípico e pelo desenho criado pelo entrelaçamento dos corpos que vão e voltam em uma impressionante harmonia. A trilha é composta por André Abujamra.

Assista ao ensaio do grupo.

Já no clássico “Theme and Varantions”, de Balanchine a história remete ao período do florescimento da dança clássica. A apresentação é composta por 26 bailarinos que se dividem pelos atos. A remontagem é assinada por Bem Huys, mediante acordo com a The George Balanchine Trust e produzida de acordo com os padrões do Balanchine Style® e Balanchine Technique®, estabelecidos e fornecidos pela Trust.

Assista a um trecho do balé.